As primeiras 48 horas

Atenção! São 6h da manhã, a hora do dia em que eu estou mais disposta e até me aventuro a escrever… (ontem também foi pela manhã). Algo no mínimo diferente, né? Acho que isso significa que a Teresa já acordou… rs.

Já tive alta do hospital, esta foi minha primeira noite em casa. Quando, na noite anterior, a dra. Lúcia disse que me daria alta, meu pai, que é médico, estranhou: meu apartamento tem escadas, geralmente as pessoas ficam uns 3 dias quando fazem cesárea.

Mas foi a melhor coisa que poderia acontecer. As noites no hospital são acompanhadas de chorinho de bebê, e, portanto, de uma vontade imensa de estar com a nossa! Ok, eu lembrei que era melhor para ela agora estar lá na UTI e voltei a mim, mas essa noite, em que eu fui a bebê da casa, foi bem mais tranquila…

Estamos vivendo todos os momentos muito intensamente e isso significa que muitas vezes não temos conseguido responder a todas as pessoas que estão nos apoiando. Até por isso tenho procurado ser fiel em escrever por aqui.

O (meu) primeiro encontro com a Teresa na UTI foi na quinta de manhã. Meu, porque o Dani tinha subido com ela lá no momento do parto. O Dani viu os primeiros cuidados, inclusive o banho (de algodão!), a administração de vitamina K (que é padrão para bebês nascidos em hospital) e de sulfactante (para bebês recém nascidos, para ajudar na respiração – é tudo o que eu sei, se precisarem de mais informações, pesquisem no Google! rs). Esta última, segundo o pai, foi uma experiência meio sofrida para nossa bebê! Bom, voltemos à minha experiência.

Chegamos na UTI e a Teresa estava aos BERROS. O sentimento nessa hora é de consolo e desespero misturado. Será que ela está sofrendo? E por outro lado, que bom que ela tem os pulmões fortes! No primeiro dia, Teresa ficou com o Sipape no nariz, um aparelhinho para ministrar oxigênio caso ela precisasse. Estava com um catéter no umbigo, para receber nutrientes via parenteral (através do soro) e com uma sonda para ajudar a expelir os líquidos do estômago.

A rotina na UTI para nós é a seguinte: podemos visitá-la pela manhã (10h a 12h), pela tarde (15h a 18h) e à noite (21h a 22h). No primeiro dia, como estávamos no hospital, subimos nas 3 visitas. A Teresa estava sozinha lá até ontem à tarde, então estava recebendo atenções totais!

Acabamos causando um certo frisson, porque tínhamos entendido mal a rotina da UTI, e na primeira tarde (que é o horário em que podemos levar 2 outros visitantes), acabamos levando meus pais, os pais do Dani e a tia Angela e a Ana Paula, ou seja, toda a tropa que veio de Sampa pra nos apoiar! Eles chegaram todos no final da manhã de quinta.

Vocês já devem ter visto o comentário da Ana no post anterior, a Ana é minha prima DE CONSIDERAÇÃO, mãe da AnaLu, que acaba de completar um ano e que nasceu prematura. É uma expert que tem me dado vários conselhos valiosos! Com a experiência dela, tenho conseguido ficar mais tranquila ainda para saber que a Teresa está bem.

As mãos das avós acalmaram a bebê. Eu e o Dani aprendemos com elas e também já conseguimos deixar a Tere tranquila. Coitada, deve ser difícil sair do útero quentinho assim, tão de repente! (pelo menos eu acho)…

A Teresa vai ficar sem alimento até completar 72h (ou seja, até domingo de manhã). Isso porque estão sendo feitos vários exames para saber se ela não tem nenhuma infecção, se ela não precisa tomar antibiótico. Por enquanto, temos o resultado do exame de 12h e do de 24h e está tudo bem! Agora o de 48h já está pronto, mas nós ainda não sabemos!

Ainda na quinta à noite, recebemos a visita da Adriana Saraiva e do Alesso, um casal de amigos da igreja (na verdade, conhecia a Adriana desde Sampa, do Acampamento Ebenézer e da IBAB). A Adriana é pediatra especialista em UTI neonatal e assim que soube do nascimento da Teresa, pesquisou onde ela estava internada e já veio vê-la! Acho que eu também vou falar bastante dela por aqui! Rs. Fato é que, na visita da 5a à tarde, a dra. Marily já entrou na UTI falando que era amiga da Adriana e que ela viria mais tarde. Quando conseguimos telefonar para ela, ela já estava no hospital! Rs.

Adriana também disse que a bebê estava bem, o que é sempre bom de se ouvir e nos deixa mais tranquilos.

Ontem, já tinham tirado o Sipape do nariz dela e fechado o umbigo (o catéter está no braço, o que é bem melhor). A Teresa mandou dizer que gostou: dormiu que foi uma beleza! Nas visitas de ontem, ela tava bem tranquila. Durante as visitas, a gente fica conversando com ela, orando, cantando, contando as coisas que estão acontecendo para ela ficar por dentro. De certa forma, isso foi o que fizemos nos últimos 7 meses!

A boa de ontem foi que as pessoas começaram a nos falar sobre o pós-72 horas sem comida. Ontem eu aprendi a tirar leite (“ordenhar”). Ainda é um pouco difícil, mas acho que com o tempo a gente vai aprendendo. E o tal do relógio biológico acho que também tem a ver com isso…

Na primeira vez foi bem difícil. Na primeira vez em casa também. Mas agora eu e o Dani estamos achando que vai ficar mais fácil.

Se a Teresa continuar evoluindo bem (porque às vezes os prematurinhos regridem um pouco, isso é normal), no domingo ela começa a receber leite. Ela vai poder tomar o meu leite desde que seja fresco, ou seja, tirado na hora. Isso significa várias horas no hospital, ainda temos que pensar quais!

O leite que eu tirar nas outras horas (em casa, por exemplo) vão para o Banco de Leite (da mesma forma que minha filha vai receber leite do banco, quando eu não estiver por lá). A diferença é que o meu leite fresquinho ela vai receber sem pasteurizar e o do banco é pasteurizado. – AOS BRASILIENSES, o banco de leite precisa de doações de vidros com tampa de plástico!

Aos poucos, vamos conversando com as pessoas e dando conta de receber os amigos. Ainda estou evitando um pouco o telefone (mais pelo desgaste emocional do que pelo físico – no primeiro dia foi para evitar gases, foi bom). E aos poucos vamos conseguindo combinar com os amigos que estão querendo nos ver. Estamos nos adaptando à nova rotina, com bastante hospital e ordenhas…

Anúncios
Esse post foi publicado em Uncategorized e marcado , , , , . Guardar link permanente.

10 respostas para As primeiras 48 horas

  1. Ligia disse:

    Queridos! De novo eu… Quanta coisa acontecendo! E que bom que Teresa logo mais vai tomar o seu leitinho… Logo ela vai estar no peito, voce vai ver so, horas pendurada em voce e voces num chamego dos bons! Li, lembrei de uma mae superbacana da lista de Maternidade Ativa que mora em Brasilia e pode ajudar voces. Ela faz parte da Matrice, que e um grupo de apoio a amamentacao. Sigo acompanhando voces – por aqui, que eu sei que tem ja muita gente na fila pra cuidar de voces – e mandando boas vibracoes pra esta familinha que nasceu com Maria Teresa. Um abraco apertado, daqueles que fazem a gente dizer: uuuta!

    • Ana Paula Caldeira Souto Maior disse:

      Lidia e Dani, legal criar este espaço. Eu fiquei apreensiva qdo vi que Teresa era prematura e é muito bom saber como ela e vcs estão passando. Por aqui na torcida e feliz de poder acompanhar. Contem comigo para o que precisar, bjs aos 3.

    • Ana Maria e Zé Arnaldo disse:

      Querida Lídia e Daniel,

      Ficamos sabendo ontem na IPP do nascimento da Teresa. Estamos orando para que logo ela esteja com vocês.Sei que as suas famílias estão aqui os apoiando. Depois, pode contar conosco.
      Beijos,
      Ana e Zé Arnaldo

  2. Jamila disse:

    Que bom ter notícias de que tudo está bem! Beijos e que Deus abençoe!

  3. Gioconda disse:

    Queridos, estou em BH acompanhando tudo pelo blog!
    Parabéns pela Terê.
    Beijos, beijos…
    Gioconda

  4. Helen Bermardes disse:

    Oi Lídia…
    Ser mãe nos move a coisas que nunca nem imaginamos. E vermos este pequeno “serzinho”, que foi gerado com tanto amor e carinho, é algo que não se pode descrever. Fui lendo devagarinho seu texto e relembrando também do primeiro momento com meu filhote… (Parece que o amor aumenta… rsrsrsrsrs) E acredito que, para você, estes primeiros dias são ainda mais intensos… Correria, de casa para hospital, do hospital pra casa, mas nada que diminua a vontade de estar com ela e de daqui há pouquinho levá-la pra casa!!! Se Deus quiser… e Ele quer!!!
    Estou aqui rezando por vocês e sei que não vai demorar muito e ela estará aí no seu colo, mamando muuuuiiiitoooo… (é maravilhoso!!!)
    Fica com Deus… Um grande abraço…
    Helen

  5. Illa disse:

    Lídia,

    temos orado por vcs e pela Teresa. Contem conosco para o que precisarem…
    Adorei o blog.
    Bjo da Illa, do Luiz, do Teo e da Catarina

  6. marcy disse:

    Li,

    Entrei no facebook e descobri o blog! Sou meio por fora do mundo virtual, então não conhecia. Agora eu posso acompanhar as informações por aqui, em vez de ficar pedindo pro pobre Dani passar as informações médicas por SMS.
    Tenho certeza que muito em breve a Terê estará em casa toda serelepe.
    Amiga, estou aqui sempre, tá? Vc sabe. Para o que for preciso. Inclusive para abrigar amigos e família que chegarem de SP.
    Beijos para vc, Dani, Maria Teresa e pros avós.

  7. nerci disse:

    desejo a vcs dois toda força do mundo
    Deus está com vcs e tenho certeza que o mais rápido possível Maria Teresa estará em casa, mamando direto na fonte e fazendo vcs perderem muitas noites de sono
    noites estas que, no minuto seguinte, já estão esquecidas
    não há nada mais compensador neste mundo que ser mãe!
    abraços e beijos a todos

  8. Pingback: Olhos azuis!!! | Para Teresa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s