De recém-parida a mãe nutriz

Pois é, gente.

Então foi assim que aconteceu: internamos e ficamos 4 dias no hospital para ver se a Teresa pegava gosto pela coisa, se eu tinha leite suficiente e tals. Foi como parir de novo, só que agora eu ficava com a parte de ter o bebê comigo. E no mais, tratava de explicar às enfermeiras que não, eu não estava recém-parida, não precisava de plástico na cama, nem de alta do meu obstetra.

Aí foi assim: no primeiro dia foi bem tranquilo, Maite dormiu de noite (é, parece que agora este está sendo o apelido oficial…) e comeu de dia. Perdeu 20 gramas, o que é normal, porque parou de tomar o “aditivo” do leite. No segundo dia, manteve seus 2 quilos redondos e nos trouxe a perspectiva de alta. Mas mamou demais (30% a mais do que na véspera) e acabou perdendo 20 gramas. Ficamos mais um dia, tentando evitar tantos esforços.

A forma de evitar foi fazer a translactação. É assim: quando a mãe tem pouco leite, que coloca a sondinha junto com o peito para sugar ao mesmo tempo do peito e do complemento, e assim estimular o aumento de leite. Tem uma explicação melhor no blog da Mari, que acaba de se tornar nossa leitora.

Então, eu fiz a translactação, só que no caso, o complemento era também o meu próprio leite. Foi meio difícil coordenar sonda, peito e uma criança que vira loucamente a cabeça quando quer mamar. Também foi difícil ordenhar na hora em que a bichinha tá com fome (antes, não dava muito tempo, a vida anda muito corrida).

No final, deu certo, como era pra dar só pra evitar o gasto excessivo de calorias, eu passei a dar só quando a Terê mamava mais de 10 minutos. No final, isso aconteceu poucas vezes (2 em um total de 8 a 10).

Teresinha ganhou 20 graminhas e a dra. Ana Lúcia achou que estava bom pra dar alta e, o que é melhor, sem precisar da translactação.

Esses dias no hospital foram bem interessantes, principalmente as noites, em que fizemos um estágio intensivo com as enfermeiras: uma noite tranquila, outra com cólica, depois uma noite simplesmente insone porque a neném queria brincar (surreal, né? ela chorava e não tinha motivos!) e, finalmente, nariz entupido.

Antes de vir embora, tia Zezé, da UTI Neo, furou a orelhinha da pequena (obrigada, Zezé, pelo presente!). Consta nos autos que Maria Teresa nem chorou.

Aí que viemos pra casa, eu e Teresinha com nariz entupido (estou resfriada right now!), na primeira noite não dormimos por conta de nariz entupido + adaptação à nova caminha (por enquanto, o moisés que a Camis emprestou, dentro do carrinho que ganhamos da Helô e Rodrigo). Eu e Tere descobrimos que quando ela mamava, conseguia desentupir o nariz, e aí eu me tornei um par de peitos para dar conta da demanda! De 2 em 2 horas, quando não de hora em hora!

Ontem, a médica receitou formas de agilizar a melhora desse narizinho. Só que aí a cólica voltou. E o dia passou rapidamente num revezamento de mamadas – trocas de fraldas – cólicas e bolsas de água quente – nariz entupido e dá-lhe Salsep no nariz.

Dicas para desentupir o nariz: Salsep e inalação – pode ser com o vapor do chuveiro ou com uma panela de água fervendo, se você não tem o inalador, como eu. Se seu caso for mais grave, consulte seu médico.

Dicas para cólicas de bebês: massagens na barriga (em sentido horário), dobrar e esticar as perninhas – juntas, como se fosse agachamento, ou separadas, como se estivesse pedalando – bolsa de água quente e canguru, como na foto (de preferência, bolsa e canguru ao mesmo tempo).

A casa está o caos e eu só consegui espremer um limãozinho pra tentar curar meu resfriado quando o Dani voltou do trabalho (por favor, gente! Licença paternidade tem que durar pelo menos um mês e poder ser tirada em dias picados, quando a família achar melhor!!!!!!).

Isso sem contar que, inevitavelmente, com tantas mamadas, o bico do seio racha. Super recomendo: a pomada Lansinoh, sol e passar o leite materno no bico e deixar secar ao natural.

Pronto. Pra quem percebeu que eu postei de madrugada, aviso que já estou indo dormir e só fiz isso agora porque precisava comer URGENTEMENTE (e eu não como com as mãos).

Por fim, um elogio ao meu marido lindinho, que tem alimentado este blog com tanto amor. E uma sugestão: querido, faça um post sobre as artes que já estão prontas do quartinho da bebê! É gente, no plural! Além do painel, Lucio e Bianca enfeitaram a porta do armário e a Carol Monteiro da EBC (tem duas Carol Monteiro!) fez o quadrinho da porta.

Beijos, boa noite!

Anúncios
Esse post foi publicado em Uncategorized e marcado , , , , . Guardar link permanente.

7 respostas para De recém-parida a mãe nutriz

  1. Vania Negri Martins Fontes disse:

    Oi, Lídia!!!!
    Que gostoso estar em casa com o nosso bebezinho, não é mesmo? Deus seja louvado!
    O primeiro mês é mesmo difícil, até a gente acostumar com a falta de sono e entrar em sintonia com o bebê, demora um pouquinho… Fora a dor pra amamentar. rs… Dá-lhe Lansinoh, mesmo assim o jeito é deixar calejar mesmo.
    Mas com todas as dificuldades, ainda assim, não há felicidade maior, não é mesmo? Tudo compensa!!!
    Estou adorando o blog! Continue dando notícias!!!!
    Beijos estalados pra vc e Teresinha, que está uma fofa!

  2. Mariza Salgueiro disse:

    Lidia, Dani e Maite.

    Tenho acompanhado com atenção, muita oração e intenso carinho a vida/biografia da Maria Teresa, via blog.
    A cada capitulo, muitas novidades….heheheh aguardando o proximo.
    beijos saudosos
    Tia MAriza

  3. Ligia disse:

    Lidia, que bacana que vocês finalmente estão em casa… É difícil este comecinho, ainda mais sem o maridón por perto, mas logo você vai descobrir os ritmos da Maite (adorei!) e então tudo fica mais tranquilo. Quando tiver um tempinho, dê uma olhada no que existe no You Tube com a tag Harvey Karp. É um pediatra de sucesso no universo materno que fala sobre extero gestação. É assim: embora uma gestação dure no máximo 42 semanas, todo bebê nasce antes do seu tempo e é por isso que chora tanto. Pra eles, fora é muito espaço, a temperatura e os sons são muito diferentes dos que ele tinha dentro da gente. Então, querida, ele inventou um exercício incrível baseado nos 5 s:
    1. Swaddling: Tight swaddling recreates the confinement of the womb.
    2. Side/Stomach position: Holding the baby on the right side slightly face down.
    3. Shushing: Karp uses a loud “ssh” sound similar to the loud white noise that is present in the womb.
    4. Swinging (and jiggling): Gentle but constant jiggling (especially of the head) is intended to remind babies of the constant motion they experienced in the womb.
    5. Sucking: Karp also recommends the use of pacifiers.
    Olha, parece brincadeira, mas foi o único jeito que encontrei de tranquilizar a Cora neste comecinho da vida dela. Eu não cheguei a dar chupeta (tinha medo de ela desaprender a mamar por causa do bico de borracha), mas chegava a passar quase uma hora ininterrupta com o secador de cabelos ligado. Daí à noite André chegava já dizendo “nossa, foi difícil hoje, hein?”. Inclusive enquanto te escrevia isso, achei um vídeo legal do Karp, himself, explicando os “procedimentos”. Veja aí: http://www.youtube.com/watch?v=G6KnVPUdEgQ. Na dúvida, peça ajuda à Gabi, da Inaê, que eu soube que ela é uma perita na arte. Cuidem-se muito, vocês três. E coloca aqui uma foto da Maite com os brinquinhos! Beijoca, Ligia, mãe da Cora, a gritalhona mais charmosa do quarteirão.

  4. Ju disse:

    Lidia, Tere e Dani !!!

    muita força, paz, sabedoria e luz neste momento. Muita vida nova nesse cerrado. Quero celebrar ess chegada da Tereza… quando puderem receber visitas avisem 🙂 Muito feliz por vocês ! Todo amor que houver nesta vida, Jul e João Pedro

  5. Juliana disse:

    Adorei saber das novidades!!! E já anotei na listinha de reivindicações para o próximo acordo coletivo da EBC a licença paternidade de um mês. Aliás, onde estavam os rapazes que não sugeriram isso na última assembleia???!!! É, flor, vamos ter que lutar por mais essa. Beijo na ponta do nariz da princesa e um abraço bem apertado em vc e no Dani. Luz!!! Ju

  6. Eliana disse:

    Sempre muito bom ler sobre sua rotina com a Teresa.
    Passei por tudo isso: cólicas, bico rachado, choro, resfriados, mas tente transmitir calma e tranquilidade para ela, e ter uma rotina, porque tudo se encaixa com o tempo!
    Escreva, pois com certeza isso alimenta sua alma. Descanse quando ela dormir, e deixe a casa , pois essa fase vai passar, e agora é preciso sobreviver!!! hahahaha
    Mil beijinhos! Estou enviando uma lembrançinha para a Teresa pela Helo tá?
    Deus abençoe os três!

  7. Queridos,
    Estamos felizes que esta linda da Maite (amei!) esta em casa. Sei que e um tempo cheio de emoçoes, quando bater o cansaço e a sensação de que o caos chegou e nao vai embora, lembra que voces estao cuidando de um “milagre” ! Que privilegio heim!
    Estou orando por vcs

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s