Menina bailarina e menino…

Todos os dias, buscar a Tetê na escola é uma atividade parecida. Perguntamos como foi, ela sempre fala de algum colega, de alguma professora e acabou-se.

Até que um belo dia, há cerca de três semanas, foi diferente com o pai.

Maria Teresa dançando ballet

“Ballet, ó”

– Tudo bem na escola, Tetê?
– Tudo, papai, eu fez ballet!
– Fez ballet?!
– É, assim, ó! (e faz igual à foto)

O Dani me contou, meio chocado, meio duvidando. E ela me repetiu a história. Sim, ela se matriculou sozinha no ballet! A gente nem tinha tomado a iniciativa de matriculá-la porque era a partir de 3 anos e ela nem completou 2 e meio ainda.

Mas as duas melhores amigas estão quase fazendo 3 anos e estão na aula. Aí não sei se foi maturidade ou dificuldade de separar as amigas, fato é que ela está matriculada. Fez 2 semanas de aula sem a gente saber. E ficamos sabendo faz… outras duas. Toda uma bailarina: “timela posição, cico de manhã…” (primeira posição, e não perguntem o que significa a segunda parte, porque não fazemos a mínima ideia!). A melhor parte é que, como ela já está matriculada no integral, eu não pago nem um centavo a mais por isso… ufa.

Aí lá fui eu comprar o uniforme de ballet. Entro na loja, com o pai, peço primeiro o collant e a vendedora:
– Quantos anos ela tem, mãezinha? (grrr. odeio que me chamem de mãezinha!!!)
– Dois, mas pode me trazer a roupa de tamanho 4! Afinal, o uniforme dela já é tamanho 6!
Ela me traz o tamanho 2. Deve ter pensado que eu era louca! Minha reação e a do Dani foi uma gargalhada!
– Moça, essa roupa não cabe na minha filha há pelo menos 6 meses! (é, a Tetê tá crescendo demais!)

Redinha e enfeite

Cabelo de menina bailarina

Aí ela começa a pegar as coisas:
Vendedora: – Meia calça!
Eu: – Duas!
Dani: – Precisa?!
Eu: – Sim, é do uniforme!

Vendedora: – Casaco! Sapatilha! Redinha de cabelo! Enfeite de cabelo!
E o Dani finalmente entendeu por que as pessoas sempre dizem que filha mulher gasta… E pra completar, a Tetê estava totamente desprovida de enfeites de cabelo e eu comprei logo uns 20! Essas fivelinhas bestas que perdem logo, sabe? Pois é.

Daí que o Dani acabou de realizar o que é ser pai de menina.

E de menino

Segunda passada, fomos fazer um ultrassom. E descobrimos que… tcharam! Estamos esperando um menino!

Ficamos super felizes! Fiquei especialmente feliz pelo Dani, que queria ter um casal. Ele sempre falava isso, aí no começo da gravidez, ele sonhou que era meninA.

Sinceramente, meu instinto me dizia que era menino. O único problema é que na primeira gravidez ele também tava me dizendo isso, provavelmente porque a Tetê era muito agitada! Risos. Sei lá, agora eu não sei se esse negócio de instinto de grávida pra essas coisas funciona ou não.

Mas estamos felizes por ser um menino, vai ser uma experiência nova, especialmente para mim. Eu só tenho irmã e filha, então os meninos mais próximos eram primos, nunca tive um menino direto em casa.

Muitas pessoas diziam que seria menino porque eu só falava pra Tetê de irmão, mas é porque ela sempre falava que era IRMÃO e era MENINA. Aí contamos pra ela que era menino:
– Tetê, vai ser irmão!
– Irmão? Upa menina!
– Não, Tê, upa meninO!
– Ah não, upa meninA! Eu telo upa menina!
– Tá bom, Tê, upa menina fica sendo você, então!

Digamos que ela se conformou… hehehe.

Depois que o bebê ganhou um sexo (não, ele ainda não ganhou um nome), a Tetê ficou um pouco mais sensível, ciumenta e chorosa. Acho que está entendendo um pouco melhor que o neném e o irmão é um ser humano!

Família, bisavó em cadeira de rodas, bisneta de 2 anos e 5 meses

Dias antes de descobrir o sexo do bebê 2, no Rio de Janeiro, fomos passear com as Bisas no Museu de Arte do Rio (MAR). 16 semanas de gestação

O ciúme e as mordidas

A parte do ciúme e do choro também atingiu a escola. Teresoca foi mordida duas vezes na mesma semana e, conversando com a professora, ela me disse que a Tetê anda arrancando brinquedos das mãos das crianças e não aceita dividir o brinquedo dela.

Nessas horas, adoro ter matriculado minha filha numa escola construtivista. A professora já me contou que quando o bicho começou a pegar com mordidas, eles mudaram o projeto pedagógico para tratar do assunto com as crianças, e a Tetê já voltou falando que “não pode brigar”, “só pode morder a frutinha” e coisas do gênero.

Pedi ajuda para Deus sobre como lidar, e ele me deu essa ideia genial. Ontem a Tetê me perguntou:
– Mamãe, de quem é esse? (nem me lembro o que era…)
– É do papai, filha, mas ele te empresta (isso a gente já tava fazendo há dias. qualquer coisa que não fosse os brinquedos dela, a gente estava emprestando pra ela)
– Ele me empeta?
– É, porque tudo o que a gente tem foi o Papai do Céu que nos deu. Então tudo na verdade é do Papai do Céu, e a gente está aqui para cuidar, para distribuir para as pessoas. Então se a gente não empresta, não devia ser nosso, a gente tem que dar. A gente tem que agradecer ao Papai do Céu e emprestar. E falar obrigada pro Papai do Céu, porque tudo é dEle.
– Tá, bigada, Papai do Céu!

Com isso, já mudou bastante a postura dela nas últimas 36 horas. Fomos numa festinha e ela saiu de um brinquedo porque um menino queria usar. Sem chorar. Considero grandes pequenas vitórias. Espero que tenha funcionado e que isso entre no coração da Maria Teresa, porque estava beeeem difícil!

Anúncios
Esse post foi publicado em Uncategorized e marcado , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para Menina bailarina e menino…

  1. Letícia disse:

    Parabéns pelo meninão! Muitas bençãos para sua família linda! Felicidades! Bjos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s