Primeira e segunda gravidez (ou de menino e de menina)

Comecei a escrever este post com 31 semanas e 4 dias. Minha gestação da Tetê durou 31 semanas e 3 dias, ou seja, a partir de agora tudo será novo!

Por muitos acasos do destino, estou publicando com 38 semanas exatas, bem quando minha gravidez chegou a termo. Achei interessante que tem várias coisas que foram bem diferentes nas duas experiências, e resolvi contar…

Pablo com 31 semanas, na barriga. Comemorando a vida dos dois filhos (festa bem adiantada de 3 anos da Tetê, sobre Palavra Cantada)

Pablo com 31 semanas, na barriga. Comemorando a vida dos dois filhos (festa bem adiantada de 3 anos da Tetê, sobre Palavra Cantada)

A concepção

Da Tetê eu engravidei antes de começar a tentar! risos. É, foi mais ou menos por aí mesmo, eu ia tentar em abril, engravidei em março. Coisas da vida. Descobri poucos dias depois, com um atraso de menstruação, e estava tudo confirmado. Contamos pra família e amigos próximos logo em seguida, guardamos segredo e só contamos pro público em geral lá pros 3 meses.

Já do Pablo, a gente queria que ele viesse quando a Tetê tivesse com uns 3 anos. E quando a gente percebeu, já deveríamos ter parado com a pílula dois meses antes! Pra ter o tempo de tentar e tal… foi assim que, quinze dias antes de a Tetê completar 2 anos, em pleno Baixo Bebê (Leblon, Rio de Janeiro), eu me desfiz da pílula.  Dessa vez, engravidar demorou um pouquinho mais, ainda veio uma menstruação no meio do caminho. Descobrimos que estávamos grávidos lá pra meados de dezembro.

E, pela dica de uma amiga (solteira, sem filhos), dessa vez teve menos segredo. Ela disse, antes de eu engravidar: eu não gosto desse negócio de as pessoas guardarem segredo quando engravidam. Porque se acontecer alguma coisa ruim, a gente acaba ficando sabendo…” E assim foi que eu não guardei segredo nenhum, só evitei espalhar para as massas no trabalho…

A fome

É assim: antes de engravidar da Tetê, eu comia 350 gramas no restaurante por quilo. Depois da gravidez, fui aos 500. Na amamentação, a uns 550. Quando engravidei do Pablo e ainda amamentava, cheguei a uns 650. Isso mesmo.

Depois parei de amamentar e a fome continuou. Depois ela retrocedeu, quando estava chegando ao terceiro trimestre. Mas ainda assim, tô ganhando bastante peso… Na primeira gravidez foram 10 quilos em 7 meses, agora já foram uns 15 (***diz que é o Pablo que tá grande, vai!***). Tem horas que eu como, como, como e nada me sacia. Uma tarde dessas tive que recorrer a um açaí. Minha dose de vitamina teve que ser dobrada e tive que aderir ao leite a litros (após quase 10 anos) para repor o cálcio. Tenho um certo medo do que será esse menino mamando!

Os enjoos e a azia

Considero que tive bem pouco enjoo na gravidez da Tetê. Pois na do Pablo, foi menos ainda! Em compensação, agora (desde umas 34 semanas) tenho tido azia… Solução? Dormir praticamente sentada (2 travesseiros altos). Isso sem falar nos travesseiros pra pernas, barriga, costas… Praticamente um afogamento em almofadas!

Os hormônios

Senti coisas muito diferentes nas duas “gravidezes” que me parecem relacionadas a hormônios. Na primeira, fiquei sensível, frágil, chorona. Na segunda, focada, direto-ao-ponto (muito mais do que eu já costumava ser! hehehe), eficiente.

Meu faro ficou mais sensível na gravidez da Tetê do que na do Pablo. Graças a Deus dessa vez não sentia tantos cheiros fortes: quem chega primeiro agora é a barriga, não o nariz…

E também tem o efeito da beleza, né? Na primeira gravidez o mundo me achou linda, rosada, cabelos bonitos. Nessa segunda, recorri à maquiagem como nunca antes! Será a presença da primeira filha ou serão os hormônios?!

Em compensação, em relação à depilação, não surgiram tantos pelos novos, parece até que eles diminuíram um pouco mais (“mais”, porque rolou uma santa depilação a laser no meio do caminho entre os dois partos! hehehe).

A barriga

Com 31 semanas e meia, no dia do parto da Teresa, olha a barriguinha que eu fiquei

Com 31 semanas e meia, no dia do parto da Teresa, olha a barriguinha que eu fiquei

Depois que a Tetê nasceu, na fase de UTI, percebi que tinha ficado com uma certa frustração de não ter feito um barrigão. Ensaiei escrever sobre isso por aqui, mas não cheguei a detalhar. Era uma coisa assim: via gravidíssimas nas ruas e ficava pensando que, de tudo o que se passou com a Tetê, eu queria que o que fosse diferente fosse eu ter o barrigão. O resto eu poderia até me preparar para aguentar de novo. Parece bobagem, e é, mas são coisas do coração.

Pois bem, Deus me recompensou e hoje, com 37 semanas, minha circunferência da barriga está com 1,20 metro na altura do umbigo. A maior barriga que eu já fiz foi a do Pablo, acho que desde as 24 ou 26 semanas já tá maior do que chegou a ser com a Tetê. Uma realização!

Dessa vez vi a barriga abaixar, a linha alba se formar e… agora, esperamos o trabalho de parto e o que mais possa vir pela frente! Aguardem os próximos capítulos!

Realizada na vontade de ter um barrigão. Tiramos até foto!

Realizada na vontade de ter um barrigão. Tiramos até foto!

Mãe escaldada de UTI

Teresa nasceu com 31 semanas, 37 cm e 1,245 kg. Com 28 semanas de gestação, fiz um ultrassom em que o Pablo já tinha 39 cm e 1,343 . Se seguir a curva normal, pode nascer com uns 3,5 kg!

Quando esta gestação completou 32 semanas , me dei conta de que com essa idade eu já conhecia a Tetê fora da barriga. Fui dominada por muita emoção, dei de chorar na aula de Yoga! Depois, ao completar 36, lembrei que com essa idade a Tetê já tava em casa. Deve ser por isso que ela tá doida pra que o irmão chegue, não pára de perguntar: “irmão, quer sair?”.

As dores

Na gravidez da Tetê, nada me doeu. Algo me abalou? Um resfriadinho ou outro… Mas agora, com o Pablo, foi dureza… Dores no ciático (com umas 20 semanas — solução: Yoga e vitamina B); gripe braba ( adquirida via escola da filha. 10 dias de atestado — solução: vitamina C!); algum incômodo nas costas — causado, também, pelo fator inevitável de pegar a Maria Teresa no colo…

As viagens

Sem filho é muito mais fácil ser aventureira! E com um filho na barriga é mais fácil do que com um na barriga e outro no colo. Ainda assim, passeei bastante das duas vezes. Na primeira, realizei meu sonho de conhecer a Grécia e revisitei a Espanha, além de ir várias vezes a São Paulo, Rio, cachoeiras Centro-Oeste afora… Na segunda, fomos a BH, Canoas, Paraíba, São Paulo, Rio. Viajei a trabalho sem a Tetê, pra São Paulo, três noites, e ela sobreviveu. Foi um treino importante para mim, para o que está por vir…

O segundinho

Pablo, sempre falo pra você assim: filho, não fica triste que a mamãe não conversa tanto com a barriga. Pensa pelo lado positivo: além da mamãe e do papai, você também tem a Tetê, que brinca com você. E é verdade. A Tetê é quem dá as vitaminas do Pablo; é com ela que ele mais mexe na barriga; quando ela chora, ele também mexe. É uma amizade e tanta!

O enxoval não é tão inédito também, temos as coisas reaproveitadas… mais do que na gravidez da Tetê. Super valorizo esse reaproveitamento e acho muito legal ganhar heranças. Mas também devo registrar que Pablito ganhou três chás de bebê, e a Tetê não teve nenhum!

Fico devendo um post só com histórias da Tetê com a barriga! Fantásticas!

Como eu brinco com meu irmão!

Como eu brinco com meu irmão!

Anúncios
Esse post foi publicado em Uncategorized e marcado , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

6 respostas para Primeira e segunda gravidez (ou de menino e de menina)

  1. vovó Amelia disse:

    Participar destas histórias a distância, é uma emoção ímpar, que só se pode ter quando se é avó!!!!! A todas estas memórias somo as minhas, de uma gravidez semelhante a da Tetê curtida em meio ao mestrado e a minha total inexperiência materna….
    Acompanhando cada ponto desta história, pude me alegrar e ter muitas esperanças em um final mais tranquilo, que finalmente se realizou.
    Mas, ainda assim, se a história se repetisse, valeria !!!
    Bom demais saber que temos um Deus que controla cada circunstância de nossas vidas. A Ele toda honra e toda Glória.
    A família se sente contemplada mais do que poderia imaginar!!!!!

  2. Andréa disse:

    Olha querida estou pensando em encomendar o segundo filho ou filha e ao ler o seu post fiquei mais animada ainda. Que Deus abençõe a sua linda família.

    • lidianeves disse:

      Que bom!
      é legal ter dois filhos… mas dá trabalho, como você vai ver nos próximos posts.
      Mesmo assim, se você tem um marido que é parceiro, eu recomendo! 😉

  3. janainafavero001 disse:

    Que história linda… pra mim, inspiradora.
    A minha Rafaelinha nasceu com 32 semanas, 37 cm e 1050 kg. Passamos nossos dias na UTI mas confesso que estava muito feliz por ela estar lá… pra nós era a nossa oportunidade de tê-la viva conosco. E isso nos bastava. Tive e ainda tenho o mesmo sentimento quanto a barriga. E agora com a minha Pequena com 1 ano e 1 mês, começo a viver uma nova história. Hoje o primeiro US. Vamos que vamos que tem uma mamãe aqui muito feliz e ansiosa pra viver tudo isso. Beijinhos carinhosos. Obrigada por compartilhar sua história.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s