Teresa: histórias para guardar (de 2013)

Viradinha de cabeça é o charme (inter)nacional!

Viradinha de cabeça é o charme (inter)nacional!

Bom, como ainda não acabou o carnaval, dá tempo de fazer uma pequena retrospectiva de histórias da Tetê em 2013. Esse post é uma coleção de lindezas que eu ainda lembro e quero guardar para a vida.

Ajudante

Quando ainda estávamos em Brasília,  Tetê já gostava de ajudar: lavar louça,  colocar na máquina, pendurar roupas… teve um dia em que ela ajudou tanto minha mãe que falou: agora chega, vovó. “Criança não trabalha,  criança dá trabalho!” – cantando a música da Palavra Cantada.

Já aqui em San Diego, num outro grau de serviço doméstico,  um dia ela perguntou por que temos que limpar a casa e eu respondi: porque aqui é como se fosse o nosso castelo. Agora ela não pode me ver limpando que quer limpar também.  Pra dizer a verdade, ela me ajuda bastante passando pano nos móveis e no chão e varrendo. Até com o aspirador ela me ajuda! Coloca o fone de ouvido e vai tirando as coisas pra lá e pra cá!

Teóloga

Tetê me perguntou como que o Papai do Céu podia, ao mesmo tempo, estar com a gente e com nossa família no Brasil. Eu fui explicando aos poucos a onipresença de Deus, até pra ela parar de gritar “estou sozinha” quando estamos fora do seu campo de visão.

Um dia, estávamos na casa de uns amigos,  que tem 2 banheiros, e ela sabia disso. Aí eu a levo no banheiro, e ela começa a demorar:

– Tetê, vai logo, mamãe tá apertada.
– Não,  mãe,  vai no outro banheiro. Você vai com Deus e eu fico com Jesus!

(Fofa!)

Mãe de brincadeira

Desde que eu fiquei grávida,  todos os temas relacionados são motivos de brincadeiras.

Primeiro, a boneca Glaucinha tava na barriga dela. Depois ela nasceu, ficou inclusive ensanguentada de canetinha vermelha. Aprendeu a mamar, a sorrir, a sentar, a comer. Tudo junto com o irmão.

Ainda durante a gravidez, ela falava que o Pablo estava na minha barriga e a Uniqua na dela (ou a Tasha, ou o Tyrone…). Expliquei bastante que o Pablo que estava na minha barriga não era o dos Backyardigans, pra evitar maiores frustrações…

Quando ele nasceu, foram muitas visitas a médicos,  aí nós brincamos de doutora.  Ela é a médica e eu, a paciente.

No Natal, ela ganhou uma boneca bebê, a Sessé, herança da tia Selih; uma boneca que anda, a Lili; e dois carrinhos de supermercado. Agora a brincadeira vai ganhando mais ares de vida real: compras, broncas, passeios, brincadeiras e interação entre os irmãos.  Teresa inventa a história toda e, finalmente,  gosta de brincar sozinha.

Eu sou a vovó (Amelia ou Luiza, muito raro eu poder ser vovó Lidia). O Dani é o papai ou o vovô. E o Pablo é respectivamente o titio ou o papai. Ah, e às vezes o filhinho. Principalmente quando ela vê oportunidade de dar comida, banho ou trocar a fralda dele!

Às vezes também as princesas são mamães ou filhinhas. Atualmente, 80% das vezes em que ela fala a palavra “mamãe”, não é comigo. E ela ainda acha um absurdo eu responder!

Mais fantasias

A gente brinca de princesa. Ela é a Branca de Neve (veste a roupa todo dia!), eu sou a Cinderela.  O Dani é o meu príncipe,  o Pablo é o dela (futura nora, corrigiremos isso no tempo oportuno! )

Fantasia de borboleta, amiga da Dora Aventureira. Até pra andar de bicicleta tem que ser de fantasia!

Fantasia de borboleta, amiga da Dora Aventureira. Até pra andar de bicicleta tem que ser de fantasia!

Ela é a Chapeuzinho Vermelho, eu sou a vovozinha, o  Dani é o lobo e o Pablo, o caçador.

Teresa é a Sandra da Palavra Cantada. Pablo e Dani são o Paulo. Eu sou a Julia Pittier ou as crianças.  Vovó Amelia também é Sandra.

Temos que interagir com a história certa pra dar comida, brincar, dar banho, guardar os brinquedos,  colocar pra dormir… hehehe

Ah, importante citar: a mania de roupas acompanha… roupas. Fantasias mil, de verdade, inventadas, muito lindas.
Generosa

Estava difícil ensinar pra Tetê a compartilhar. Aí um dia eu falei pra ela pedir ajuda pro Papai do Céu,  porque ela não estava querendo compartilhar com uma das melhores amigas,  aí não tem condições… Funcionou super bem, além do esperado, como vocês verão a seguir.

Um dia, ainda em Brasília, vêm uns amiguinhos visitar o Pablo e brincar com a Teresa. Aí um deles não compartilhou o brinquedo.  Em vez de chorar e espernear (como de costume), ela simplesmente chega até mim e fala: “mãe,  Papai do Céu não tá ajudando Fulaninho a compartilhar. Você pede  ajuda pra ele?”(Amor!)

Ainda sobre generosidade: expliquei pra Tetê que se o Papai do Céu deu muitos brinquedos pra ela, é porque ela compartilha. Se ela não dividir, vamos dar uns brinquedos e ela vai ganhar menos… (mas no dia a dia essa ainda é uma questão: ela quer compartilhar o que quiser, não necessariamente o que a outra criança está interessada… a luta continua…).

Internacional

Com seis horas de fuso horário em relação ao Brasil,  foi necessário explicar o conceito de diferenças horárias para a criança.  Tipo assim, não pode ligar pra vovó de noite, porque é madrugada no Brasil.

Isso ajudou a explicar outro conceito: o de dia e noite. Especialmente importante para uma menina noturna, mas que sabe que à noite é hora de dormir. E especialmente complicado num lugar em que escurece às 17h, ou seja, não é hora de dormir assim que escurece!

– pai, por que tá de noite?- porque o sol foi embora- e por que ele foi embora? Grande sacada do Dani:- porque ele foi pra terra da Ahyehang (professora sul-coreana do playgroup da universidade).

Faladora

2013 foi o ano em que a Tetê disparou a falar parágrafos inteiros.  Em português,  quero dizer. Em inglês ela também fala, com palavras inventadas para fazer companhia à parte do idioma que ela domina. Agora, já são histórias completas,  de vários parágrafos,  quiçás páginas e mais páginas.  Hehehe

Tem aqueles errinhos – e certos acertos – que tornam ainda mais especial criar uma garotinha de 3 anos. O meu favorito é “eu querisse”: “mamãe,  eu querisse que você fosse comigo!”- futuro do subjuntivo e imperativo:ela fala “me ajude,  mãe” e “eu quero que você me ajude”. “Acenda”a luz, “compre”, etc. É como se estivesse usando o “tu” e o “você”, junto e misturado. Ah! Também tem o “envugada”, que é uma lindeza:

– Tetê, sai do banho!
Ela olha pro dedo: – Minha mão tá envugada? Ah, tá! Então eu posso sair.

E tem aqueles bem normais mas que é muito legal de ouvir: mánica, tevelisão… Adoro.

Cadê? Tá aqui

Vocês acham que ela brinca de cadê e achou? Até brinca, mas não é sobre isso que eu quero falar. Teresa tem uma memória incrível para lembrar de objetos desaparecidos: aqueles que ficaram em Brasília, que já foram embora, que já demos, que não vemos faz tempo. E quando quer algo, não sossega até a gente achar.

Agora, vai perguntar pra ela onde está qualquer coisa?! Ela aponta para o lugar onde o dedo dela achar conveniente, aleatoriamente, e diz: “tá aqui”! Com a maior cara lavada do mundo.

Esperta

Não é porque é minha filha, não, ou é exatamente por isso, hehe, mas eu acho a Tetê muito esperta. Só mais uma história: quando ela apronta alguma, geralmente nossa primeira medida é conversar sério com ela. Pois bem, desde que chegamos aqui, ela já vai aprontando, olha pra gente com a cara mais séria que ela sabe fazer e fala: “não, eu não quero conversar sério! Não é falar sério!” kkkk, e a gente nem pode rir!

Também é engraçado quando ela aprende alguma coisa nova, ou fala alguma coisa muito de adulto (aqui, a língua do nhé-nhé foi introduzida pela Tetê, com o Pablo), a gente pergunta onde ela aprendeu, e a resposta é: “eu sou espéta, mãe!”

Bom, só posso dizer que é uma delícia ser pais da Tetê e que vamos sentir saudades desta fase linda e desse intensivão de convívio!

Anúncios
Esse post foi publicado em Uncategorized e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

2 respostas para Teresa: histórias para guardar (de 2013)

  1. vovó Amelia disse:

    E, não é porque é minha neta não. … Mas eu acho a Tete muito esperta. .. rsrsrs. ..
    Bom Lidia você registrar tido ião aqui. … Um dia elas lerá a própria história. .
    E não é porque você é minha filha não, mas você é muito dedicada. …

  2. Ilona disse:

    Um grande abraço e felicidades .

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s